sexta-feira, 20 de julho de 2012

INVISÍVEL BLUES (de Marcos Salvatore)


by Mary Ellen Mark



então tá meu irmão, é isso aí, bicho
não precisa contar com conversa ou tristeza
com o ovo no cu da galinha

de manhã vem pra casa
e esquenta a sobra do almoço na lata do lixo
mistura tudo num engulho de choro e sardinha

restos de farofa, porrada e garapa
descaminho desnudo de cheirar ou fumar

de esquina em esquina uma criança num sinal
enquanto isso a gente espera o carnaval

eu mal sei direito o que devo ser ou fazer
se sou marginal, invisível
a que preço me vender

- ei, tio, me arruma um trocado em troca de uns órgãos?
aqui tem chiclete, palavras cruzadas
um coração embriagado de fome
minha idade e o meu indigno rabo

um pouco de brinquedo, de história
talhada em madeira molhada, modesta ou sucata

de esquina em esquina


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...